Jorge Fakhouri – Boxe-xadrez

jorge
Entreviststa com Jorge Fakhouri, o primeiro atleta de Boxe-Xadrez do Brasil. Jorge também está ajudando na implementação do esporte no Brasil e é um dos criadores do departamento de Boxe-Xadrez na Associação Brasileira de Boxe.

1- Qual modalidade você começou a praticar primeiro e há quanto tempo você pratica cada uma?
Comecei primeiro no Xadrez; na época eu tinha por volta dos 14 anos e a escola em que eu estava passou à oferecer aulas de Xadrez como atividade extracurricular. No começo eu fui porquê as minhas irmãs que já faziam, haviam dito que o clima era bacana e o professor falava de diversos assuntos interessantes e não somente sobre o Xadrez em sí. No começo confesso que não levava muito à sério, eu era arteiro e só pensava em fazer bagunça e tumultuar a aula, até que tive literalmente um sonho da qual eu percebi o quão complexo aquele jogo era, e quantas infinitas possibilidades haviam após cada jogada. Já na aula seguinte, comecei à ver o Xadrez com outros olhos e acabei me tornando um dos alunos mais dedicados; levava exercícios para resolver em casa, ou até mesmo na rua, comecei a pesquisar sobre o jogo e a jogar online com gente do mundo todo. Enfim ali começou o meu contato com o Xadrez.
Como estou com 24 anos, pratico Xadrez há aproximadamente 10 anos e o Boxe há 2 anos.
2- E você foi participando de torneios de Xadrez desde pequeno ou praticava?
Quando você começa a estudar um pouco mais à fundo o jogo, você sente a necessidade de participar de competições e colocar em “xeque” os seus conhecimentos, acredito que este “mix” de estudo e prática seja essencial para qualquer modalidade esportiva, afinal você pode ter um talento muito aparente, porém sem conhecimentos teóricos e sem a constante atualização, seus adversários logo te ultrapassarão.

Inicialmente, ia com os meus colegas de colégio em torneios escolares, e jogava com adversários da mesma faixa etária, de tal maneira que era bastante válido para testar o meu nível e saber onde eu tinha que melhorar ou aperfeiçoar.

Eu sempre senti a necessidade de participar de torneios, tanto que em determinado momento passei a buscar outros torneios por conta própria, isso já aos 15/16 anos. Então comecei a frequentar lugares como Clube de Xadrez de São Paulo, Galeria de Xadrez Borba Gato e outros como; Centro Cultural São Paulo, clubes tradicionais da cidade e sem contar que fui formando uma consolidada rede de amigos no Xadrez.
3- Como surgiu o Boxe para você?
O Boxe surgiu para mim no final do ano de 2013. Um colega de trabalho que já havia sido praticante comentou que começaria aulas próximo à empresa em que trabalho, e ele comentou que o Boxe dentre outros benefícios ajuda e muito no condicionamento físico. Nesta fase da minha vida, eu me encontrava com um grande problema de peso, e não realizava nenhuma atividade física, cheguei a pesar 145 Kg mas que, por ser alto não eram tão aparentes, porém mesmo assim eu sentia e muito os malefícios do sobrepeso na minha saúde e rotina. Então comecei à praticar o Boxe três vezes por semana, o que no começo era extremamente extenuante porém bastante recompensador, visto que em poucos meses eu ja tinha perdido todo o excesso de peso que havia adquirido após longos anos de sedentarismo.
4- Até o momento você disputou quantos combates de Boxe?
Pelo tempo de prática, posso ser considerado um iniciante e participei apenas de um torneio oficialmente reconhecido pela Federação Paulista de Boxe: a famosa “Forja dos Campeões” do presente ano de 2015. Considerando o alto nível da competição acredito ter tido uma boa perfomance, chegando às semi-finais, tendo perdido a luta para o talentoso Leonardo “Cabeção” que é atleta profissional invicto de MMA e foi o grande campeão do torneio.

Contando as lutas da Forja e outros eventos não oficiais, no total foram 6 lutas, das quais eu venci 5 e perdi 1 conforme descrição acima.
5- Onde você ouviu falar do Boxe-Xadrez?
A primeira vez que ouvi falar sobre o Boxe-Xadrez (Chessboxing), eu estava em casa e passou uma matéria rápida na televisão, na qual brevemente me foi apresentado o esporte e suas regras. Logo de cara não dei muita atenção, mesmo porquê nesta época eu nem imaginava praticar Boxe, mas devido ao meu tamanho, diversas foram as vezes que antes de começar uma partida no Xadrez, meu adversário comentar algo do tipo “Se eu ganhar de você, só por favor não me bata!!!” Pouco a pouco eu fui pensando “Por quê não???”

Lembro que antes mesmo de começar à praticar o Boxe, mandei um e-mail para a associação mundial de Chessboxing, e quem me respondeu foi o próprio inventor do esporte, Iepe  Rubinhg; que me fez perguntas sobre os meus conhecimentos em ambas modalidades e eu respondi que até então só era praticante de Xadrez, mas que em breve me arriscaria nesse intrigante esporte.

6- Em que divisão de peso você está no momento?
 Estou na chamada divisão máxima, a dos super pesados!

7- Você ainda este ano recebeu um convite para lutar na Europa. Conte como foi isso e o porquê de você não participar.
Como o Chessboxing ainda não existe no Brasil, eu comecei à buscar em quais países era praticado e uma das federações que encontrei foi a “Federazione Italiana ScacchiPugilato”. Preparei um e-mail e mandei, e logo no dia seguinte já tinha uma resposta do presidente da federação, querendo saber um pouco mais sobre mim. Trocamos alguns e-mails e ele comentou que em Outubro, agora, próximo dia 24 haveria um evento, na qual eu enfrentaria o atual campeão peso pesado italiano, que possui também o título europeu, Sérgio Leveque.

Acontece que nós conversamos em meados de Abril, e para mim, o mais difícil seria conseguir juntar os recursos necessários para poder bancar os custos da viagem e com o meu emprego somente; eu demoraria muito tempo para juntar dinheiro necessário.

Este foi o principal motivo de eu não ter tido a chance de participar deste evento. Mandei centenas de e-mails e fiz centenas de ligações em busca de patrocinadores.

Hoje eu conto com o apoio da marca JUGUI de materiais para artes marciais e lutas em geral, e é  um orgulho para mim poder contar com uma marca tão reconhecida não somente em São Paulo como em todo o Brasil pela qualidade de seus produtos e comprometimento com o Boxe brasileiro. Continuo em busca de parcerias para transformar este sonho em realidade, afinal eu poderia trazer um título inédito para o Brasil, além de ser o primeiro brasileiro à se aventurar no esporte. O meu sonho hoje pode ser o sonho de outros jovens amanhã. Quem sabe num futuro próximo não tenhamos talentos interessados em competir nessa mesma modalidade que desafia tanto o corpo quanto a mente.

8- Você já tem mais convites para lutar fora do país?
No momento somente da federação Italiana. Certamente se eu conseguir participar do proximo evento de Chessboxing na Itália, que deve acontecer no primeiro semestre de 2016; e vencer o campeão europeu, novos convites serão feitos para enfrentar os demais pesos pesados e quem sabe até mesmo disputar o título mundial! Sim! Existe campeonato mundial de Chessboxing!

9- O pessoal que quiser aprender ou praticar essa modalidade como faz para se comunicar com você?
Fácil! Pode me procurar nas redes sociais, ou me mandar um e-mail. Farei questão de responder à todos!

jorgefakhouri@hotmail.com

Por Márcio Reginatto